Buscar

Você conhece os 4 níveis de crença do Thetahealing?

Dinheiro é sujo. Homem não presta. Isso não é para mim. Não posso confiar em ninguém. Eu não tenho capacidade. Amor causa sofrimento. Quantas “verdades” você mantém em seu sistema de crenças, fazendo com que não alcance os resultados que deseja?


A todo momento, estamos programando ou reprogramando nossas crenças, que afetam direta e indiretamente todos os aspectos de nossas vidas. Contudo, nem sempre este processo de ressignificação é natural.

Para se ter uma ideia de sua importância, o trabalho de reprogramação desses bloqueios é uma das bases do Thetahealing.

Portanto, se você deseja entender como se formam nossas convicções, compreender quais são os quatro níveis de crença segundo o Thetahealing e a influência de tudo isso em nossas vidas, esse artigo é para você!

Tenha uma boa leitura!



O que são crenças? De que maneira elas influenciam nossa realidade?

Como já dissemos por aqui, no blog, crenças são as lentes por meio das quais enxergamos a nossa realidade. Elas são a aceitação, pela mente, de que algo é real e verdadeiro.

É fato que carregamos conosco o peso de convicções que afetam, de forma significativa, diversas áreas de nossas vidas. Reconhecê-las é o primeiro passo rumo à liberdade!

Entretanto, nem sempre é possível evitar o surgimento de uma crença limitante. Afinal, muitas delas são formadas ainda em nossa infância, ou chegam até nós por meio de nossos antepassados. Surpreendente não é?

A boa notícia é que é, sim, possível, tomarmos consciência de nossos bloqueios e limites, para então reprogramá-los. Antes disso, porém, que tal entendermos como se dá a origem de nossas crenças?


Como se formam as crenças limitantes?

Imagine a seguinte cena: você pensa que dirigir não é para você. Por isso, passa a sentir medo e insegurança todas as vezes que tem a oportunidade de estar à frente do volante.

Esse misto de sentimentos a impedem de se concentrar na direção e, como consequência, você acaba se atrapalhando no momento em que vai tirar o carro da garagem de casa. O carro apaga, você tenta mais uma vez, dá ré em vez de engatar a primeira e esbarra a traseira do veículo na parede.

O resultado: um parachoque ligeiramente amassado e mais uma tentativa frustrada de conseguir fazer aquilo que tanto desejou um dia. E, então, você pensa: "realmente, dirigir não é para mim”.

Percebeu como esse processo é um ciclo vicioso?

Isso acontece pois uma crença gera uma resposta química em nosso organismo, que está diretamente relacionada ao pensamento que temos sobre aquilo. Ou seja, se pensamos que não somos capazes de algo, passamos a nos sentir e a nos comportar como incapazes. Dessa forma, alcançamos resultados negativos, que apenas reforçam nossa crença limitante.

Mas como formamos o nosso sistema de crenças? É o que veremos agora.

  • Repetição

Aquilo que ouvimos, vimos e sentimos repetidas vezes ao longo de nossas vidas, desde a nossa infância, instala-se em nosso sistema mental. Assim, tomamos esses acontecimentos como verdades absolutas e passamos a adequar o nosso comportamento de acordo com essas verdades.

Você já ouviu alguma vez aquela máxima “mulher no volante, perigo constante”? Agora perceba como ouvir esta afirmação por inúmeras vezes pode desencorajar uma jovem ainda em suas primeiras aulas na autoescola?


  • Acontecimento com forte impacto emocional


Nem sempre é preciso que algo ocorra mais de uma vez para que se instale em nosso sistema de crenças. Um acontecimento que tenha forte peso emocional sobre nós pode afetar o modo como interpretamos a realidade de maneira significativa, gerando traumas e fobias.

Voltando ao nosso exemplo, pense como um acidente de carro pode traumatizar alguém que está aprendendo a dirigir?

Crenças são sempre negativas?

Antes de responder a esta pergunta, vamos voltar à cena da garagem de casa?

Imagine agora que você pensa e se sente capaz de dirigir mas, mesmo assim, o carro apaga ao tentar sair de casa. O que você faria? Daria novamente a partida e seguiria normalmente para o seu trabalho, não é mesmo? Muito provavelmente, nem se lembraria mais do ocorrido antes mesmo de chegar ao seu destino.

Isso tudo quer dizer que um pensamento positivo seria capaz de desencadear um novo processo, no qual você se sente e age como uma pessoa capaz de conduzir um veículo com segurança.

Talvez você esteja se perguntando: então quer dizer que crenças limitantes só existem para nos sabotar? Não é bem assim. Pode parecer estranho, mas saiba que toda crença tem a intenção de apresentar um ganho positivo para alma.

Pode ser que algum fato em sua vida, ou mesmo algo ocorrido com seus ancestrais, tenha instalado em seu sistema de crenças que para se manter seguro, o melhor é não dirigir. Ou, ainda, que é melhor não confiar em si mesmo, para que assim esteja a salvo.

Como vimos, a intenção de nossas crenças é a de nos proteger de possíveis riscos. A questão é que, nem sempre, tais riscos são reais no atual contexto. Por isso é tão importante reconhecer essas limitações, para que seja possível trabalhá-las.



Quais são os 4 níveis de crença segundo o Thetahealing?

O Thetahealing é uma poderosa técnica capaz de realizar um profundo trabalho de reprogramação de crenças limitantes. Sua fundadora, Vianna Stibal, as dividiu em níveis, a fim de facilitar a sua compreensão. Vamos conhecê-los?

1. Primário ou central

Crenças primárias ou centrais são as que adquirimos ao longo da vida, desde a nossa concepção até os dias atuais. Elas são geradas por meio das diversas experiências e interações que fazemos no dia a dia com nossos pais, familiares, amigos, religiões, ou mesmo com aquilo que consumimos por meio dos estudos, filmes, leituras etc.

Este nível é extremamente importante para o processo de cura. Por isso, muitas vezes é a partir dele que muitas pessoas iniciam seus processos.

2. Genético

Neste nível estão as crenças herdadas de nossos pais e avós até a sétima geração de ancestrais. De forma geral, é possível identificá-las por meio de padrões que identificamos em nossa família. Problemas financeiros que se repetem, doenças, dons artísticos e vocação para seguir uma determinada carreira são apenas alguns exemplos.

Em alguns casos, é possível que a repetição de um comportamento ocorra de forma inconsciente como sinal de fidelidade a um núcleo familiar. Ou, ainda, para honrar esta família e manter a sensação de pertencimento.

3. Histórico

Quando uma crença permanece no sistema de diversas pessoas influenciando toda uma sociedade, dizemos que ela passa a pertencer ao inconsciente coletivo. E assim são geradas as crenças de nível histórico.

Essas crenças coletivas também possibilitam a identificação entre determinados grupos, que passam a ser influenciados por um campo similar de sentimentos e pensamentos.


4. de Alma

Algumas crenças permanecem no inconsciente coletivo por milhares de anos. Consequentemente, elas atingem um nível de alma, mais essencial e profundo. E justamente por serem tão profundas, as mudanças que ocorrem a este nível são transformadoras, pois alcançam a essência do ser humano.


Como saber se é o momento de dar atenção às minhas crenças limitantes?

A este ponto da leitura, você já deve ter trazido para a consciência alguns resultados que não tem conseguido alcançar em sua vida. É possível, ainda, que tenha percebido determinados padrões em sua família. O que você tanto critica, mas que tem feito exatamente da mesma forma que seus pais ou avós?

Se algumas destas situações está ocorrendo com você, muito provavelmente alguma de suas crenças está sustentando alguma convicção que a impede de alcançar o que deseja. Que tal olhar para elas?

De que forma é possível reprogramar crenças?

“O passado é lição para se meditar, não para se reproduzir” - Mário de Andrade


Saiba que tudo que nos acontece resulta de nossas crenças. Portanto, o primeiro passo para reprogramar uma crença limitante e se libertar de velhos padrões é realmente desejar isso.

O Thetahealing é uma técnica capaz de atuar nessas crenças. Primeiro, ela irá auxiliá-la a identificar os limites e bloqueios que estão afetando negativamente a sua vida. A partir desta tomada de consciência, você será capaz de ressignificá-los, alcançando uma vida mais plena, harmoniosa e co-criando a realidade que tanto deseja manifestar.

Se você deseja se aprofundar ainda mais sobre esse tema fascinante, a formação em Thetahealing pode ser realmente transformadora. O curso não é voltado apenas para quem deseja trabalhar na área, mas também para quem deseja se autoconhecer e ter autonomia sobre seus processos, já que as ferramentas podem ser autoaplicadas.

Então, se deseja saber mais detalhes, vamos conversar! Será um prazer esclarecer todas as suas dúvidas e conduzi-la nesta jornada de despertar e cura!


37 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo