Buscar

Silenciando a mente e a ansiedade

Aproveitando que estou voltando com uma prática antiga minha de ter grupos de meditação, resolvi escrever esse texto falando sobre a importância de silenciarmos a mente e confesso que estou com saudades destes grupos presenciais, na qual nos juntávamos para falar sobre as experiências que cada um vivia e para aprendermos a silenciar para acessar as nossas fontes de sabedoria interna. Saudades a parte, vamos começar nossa reflexão!


Você sabia que nós temos entre 60 mil e 70 mil pensamentos por dia?


Com a pandemia os encontros presenciais foram deixados de lado e a as tagarelices mentais que já eram intensas (70 mil pensamentos no dia), cresceram ainda mais. Os estímulos lá fora diminuíram e sobrou espaço para as nossas demandas internas e nos meus atendimentos terapêuticos tenho observado uma crescente de pessoas com sintomas relacionados a ansiedades, essa talvez estivesse sendo mascarada pela rotina, pelos compromissos excessivos.


E a pergunta que sempre surge quando falamos de ansiedade é:

O QUE FAZER COM ISSO?


Primeiramente vamos entender a ansiedade.

Todo comportamento, sentimento tem uma intenção positiva e portanto pode ser olhado e usado de forma limitante ou fortalecedora.

As pessoas que trazem essa característica geralmente são pessoas que querem fazer diferente do restante do mundo, elas viajam no tempo até o futuro para descobrir quais serão as necessidades, os anseios para que elas possam no hoje realizar. Vou dar um exemplo: vamos pensar agora no aquecimento global e que a quantidade de carros nas ruas apenas cresce, ou seja, a poluição do ar só aumenta e, então, uma mente ansiosa viaja no tempo, vai até o futuro e identifica que logo logo o planeta não vai aguentar. Essa mente, que anseia por soluções, por fazer a diferença, que quer causar seu impacto no mundo e descobrir todas soluções, inventa o carro elétrico para evitar um futuro impacto. O colapso não é agora, mas a solução, as identificações já existem graças a essas mentes CURIOSAS.

Muitos cientistas e inventores tem mentes que anseiam muito.


Só que em desequilíbrio essa mente torna-se uma prisão e isso acontece quando nos afundamos na rotina, focamos no próximo passo sem sentir o que estamos fazendo, quando estamos no piloto automático sem saber os "por quês" de estarmos fazendo o que estamos, passamos a nos sentir apenas mais um em um sistema que não estimula nossa criatividade, nosso lado suave, leve, nossa famosa energia YIN para a medicina chinesa. Com isso não processamos mais nosso mundo interior, estamos ali apenas para fazer a mais que o dia anterior a partir de comparações externas. A mente ansiosa que anseia por liberdade fica presa, pois os sonhos ficam presos, a criatividade fica presa, a essência fica presa.


E agora sim: O QUE FAZER COM ISSO?


A melhor dica que posso te dar é MEDITAÇÃO, pois com a meditação você vai aprender sim a silenciar esses 60 mil, 70 mil pensamentos e a encontrar a fonte de sabedoria que está dentro de você. Todos temos as respostas dentro de nós, apenas deixamos de acessar para buscar cada vez mais formas rápidas e genéricas de solucionar problemas. Busque menos fora, menos informação, e olhe para dentro de você.

Quando você medita você aprende o funcionamento da sua mente, aprende a conversar e a viver em harmonia com ela.

Os pensamentos estão sempre se movimentando em nós, estão sempre flutuando e como já falei antes viajam no tempo, além do futuro para o passado também. Isso pode nos servir de forma benéfica e fortalecedora para planejarmos, organizarmos e aprendermos lições.


Portando, esqueça isso de calar a mente, pois isso é simplesmente impossível e nem seria saudável, já que você ficaria sem perspectivas.

Lembre de aprender a conversar com cada parte sua, mesmo aquelas que você considera negativa, pois TUDO tem uma intenção positiva.

MEDITE!


Se precisar de ajuda e quiser saber mais sobre os meus grupos entre em contato comigo, é um caminho liberta.dor


Gratidão por ter lido até aqui!


+55 51 98194 6018

@luisamholistica



11 visualizações0 comentário